Projeto Sektor-2084: Arquétipos de Personagem

Estou trabalhando no meu segundo projeto para Nereus, dessa vez um cenário Cyberpunk. O livro se chamará Sektor-2084 e traz o Sprawl-23s como cenário.A ideia é trazer uma série de posts sobre o projeto a medida que o livro é escrito. Estou tentando encaixar tudo pra terminá-lo em meados de Junho desse ano para colocar na nossa página de Material de Jogo. Até lá, estes posts vão servir de guia do desenvolvimento do suplemento.

sektor-banner

Para começar a série, vou falar um pouco sobre uma parte do capítulo sobre os  personagens. O primeiro capítulo (sem contar com a introdução) trata de como são os personagens do e passo rapidamente pelos arquétipos mais comuns do gênero cyberpunk.

Claro, não são arquétipos fixos ou imutáveis pois não existem templates ou classes em Fate e quero que Nereus siga o mesmo padrão. Ao invés disso simplesmente adotei uma abordagem mais descritiva sobre o que os personagens são, o que eles fazem e o que importa para eles, além de listar alguns aspectos possíveis para o personagem (tanto o Aspecto Principal como para os Aspectos Complementares).

Os arquétipos apresentados no suplemento são:

Caçadores de Recompensas: são os Boba Fett do jogo. Os freelancers especializados em capturar alvos utilizando diversas técnicas e abordagens.

Cyberninja: um dos arquétipos galhofa do gênero. Imagine se ao invés de focar seus implantes cibernéticos na força bruta o personagem decidisse ser um… ninja. Bem, o resultado é o Cyberninja, que pode ou não estar a favor de uma corporação ou gangue.

Hacker: o especialista em construir (ou desconstruir) coisas bacanas na Nuvem (ou internet, se preferirem). Ele é o programador de aspectos, detentor das façanhas de intrusão de sistemas entre outras habilidades que serão usadas para enganar, alterar e falsificar sistemas do “mundo virtual”.

Mercenário: o guerreiro do jogo. Ele é um pouco do faz-tudo, mas possui talentos e vantagens voltados ao conflito físico.

Nômade da Vastidão: um personagem que fica longe dos centros urbanos. Um caçador e patrulheiro da vastidão além Sprawl.

Policial Urbano: autoexplicativo, porém os policiais são de empresas terceirizadas de policiamento e segurança.

Samurai corporativo: talvez um dos conceitos que mais tive dificuldade de explicar. São paladinos e guerreiros que tratam dos serviços “por baixo dos panos” de uma determinada corporação que o personagem deve a mais profunda fidelidade.

Trapaceiro: o ladrão, canalha, falsificador, invasor e outras coisas mais. É o ladrão em sua versão cyberpunk.

Esta porção do capítulo está pronta e são estes os nomes dos arquétipos que os jogadores podem ou não acatar, é tudo opcional.

A próxima seção do capítulo que começo a desenvolver nos próximos dias será sobre as Façanhas dos personagens. Irei colocar as principais aqui assim que terminar. Até lá!