Editorial (Maio/Junho 2012): RPGs Indie, Decadentia e D&D 5

Este é o primeiro Editorial mensal do blog. A idéia desta nova categoria é trazer as atividades planejadas do mês e dar alguns pitacos daquilo que anda acontecendo com o RPG em geral. O real objetivo é motivar a mim mesmo a traçar metas do mês para tornar os objetivos do ano algo mais concreto.

Este mês gostaria de dizer que fiquei surpreso com a quantidade saudável de lançamentos recentes no mercado nacional. Acho que lançamentos como Space Dragon, Violentina, Este Corpo Mortal e Goblins em Campanha apenas fortalecem a tendência do mercado de RPG aqui no Brasil: jogos de tiragem menor, mas com qualidade. Acima disso, gostaria de dizer que estou feliz e extremamente satisfeito com o fator variedade de lançamentos. Vejam, mesmo dois lançamentos que tem como “sistema pai” o Old Dragon, eles são de propostas diferenciadas. A primeira resgata a Ficção Cientítifica clássica que remetem a Flash Gordon e Buck Rogers. O segundo, mesmo sendo de fantasia medieval traz uma proposta inversa ao trazer Goblins como protagonistas do jogo.

Violentina, trazendo o clima de filmes de Tarantino também trouxe uma maneira interessante de publicar o jogo: o financiamento coletivo. Este feito pode abrir os olhos de muita gente no mercado de RPG. Talvez isso viabilize ideias de escritores que, em tempos de outrora, jamais publicariam suas ideias. Aliado a isso temos a criatividade do jogador brasileiro. Acredito, de maneira otimista, que estamos em um momento de provação. Será que agora, temos a oportunidade de apreciar nossas próprias criações? Seria este o começo de uma era onde os jogos são feitos por jogadores como eu ou você e, ao mesmo tempo, financiados por nós mesmos?

Eu quero acreditar que sim. Pois tenho a plena certeza que temos muito a oferecer, uma vez que nós nos livremos dos grilhões dos títulos convencionais estrangeiros. O RPG americano é enorme e variado. Talvez aqui possamos, ao menos, ser variados em nossas mesas de jogos. Que venham os lançamentos. Diferentes. Originais. Jogos que nos identifiquemos.

Diante desta perspectiva otimista, onde levamos o “do it yourself” a um outro patamar, talvez as notícias acerca do D&D 5a. edição não sejam tão impactantes quanto as edições de antes foram para o nosso mercado. Para mim a intenção da Hasbro é bem clara: D&D precisa VOLTAR a agradar uma quantidade expressiva de jogadores. O D&D 4a edição foi um sucesso lá fora, mesmo assim uma quinta edição se faz necessária para não apenas expandir a gama de jogadores, mas também MANTER o seu público (e reconquistar a parcela que migrou para o Pathfinder). Quem acompanhou a supremacia do D&D sabe que estas preocupações nunca foram prioridade antes.

Assim eu pergunto: tamanho impacto reflete no Brasil? Seriam os objetivos grandiosos da Hasbro os mesmos de uma Devir, por exemplo? Respostas que só o tempo dirá. Meu grande desejo é que, daqui pra frente valorizemos os jogos condizentes com aquilo que NÓS queremos, e nada mais. Pois, cada vez mais existem menos impedimentos que mentes criativas publiquem seus jogos.

Por último, gostaria de anunciar o primeiro mini-suplemento de Nereus RPG, ainda para este mês: Decadentia. Você que leu nossos artigos de Cenários Pós-Apocalípticos deve ter visto uma ou outra referência ao cenário. Estou testando o formato em que ele será publicado. Seu conteúdo, como o próprio Nereus RPG, é minimalista. Ele cumpre a função de semente de ideias. Ele dita o tom, por meio de poucas palavras. Todo o mais é buscado pelo grupo. Se você conhece o material produzido pela Anti-Paladin Games para Mini-Six pode ter uma idéia do que está por vir.

Decadentia é uma cidade, montada em meio a escombros de um mundo devastado. Gangues aterrorizam os que querem sobreviver. Um Conselho corrupto rege a vida daqueles que decidiram chamar um amontoado de placas retorcidas de lar. Como todo cenário pós apocalíptico, Decadentia é impiedoso, feio e… decadente.

Atualmente está em fase de finalização e revisão. Seu lançamento está previsto para as próximas semanas.

Até o próximo mês.

Guilherme “Besouro Suco”