RPG-Aventuras Fantásticas no Brasil – Parte 1

O Projeto Crônicas Fantásticas está sendo escrito com o objetivo de apresentar à presente geração “d20” um jogo feito nos moldes dos jogos introdutórios de RPG nos anos 80 e 90. Mas, o que isso significa?

16432334Para responder à essa pergunta vamos falar sobre à maior inspiração do Crônicas Fantásticas: o RPG/Aventuras Fantásticas. Ele nada mais é que o primeiro RPG publicado por uma editora brasileira (Marques de Saraiva).

Juntamente com o título RPG/Aventuras Fantásticas a Marques de Saraiva trouxe os grandes títulos da série Livros-Jogos Aventuras Fantásticas.

Esses livretos de bolso eram aventuras-solo que utilizam o mesmo sistema que o RPG. A única diferença é que os livros jogos são jogados sozinho e as escolhas limitadas pelo que o livro oferece.

Os títulos eram os mais variados, entretanto o gênero de fantasia medieval era o mais popular. Dentre os títulos podemos destacar O feiticeiro da Montanha do Fogo, Cripta do Vampiro e O Calabouço da morte como clássico absolutos.

1.”VÁ PARA…”

calaboucoOs livros jogos eram compostos de trechos fragmentados. Ao final de cada seção (numerada), duas ou três opções eram dadas. Ao escolher o jogador deve ler a seção indicada.

Então, por exemplo, se o seu personagem adentra em uma sala  repleta de baús em um Calabouço ele poderia:

Abrir o baú vermelho (vá para 12)

Abrir o baú azul (vá para 44)

Abrir o baú verde (vá para 67)

Seguir em frente (360)

E assim por diante. Situações de combate ocorrem eventualmente, mas grande parte do tempo as escolhas não dependiam de jogada de dados.

2.HABILIDADE, ENERGIA E SORTE!

Eram estes os únicos atributos dos personagens. Os livros jogos eram simples e essa simplicidade foi integralmente repetida no livro RPG/Aventuras Fabntásticas com a diferença de que agora o jogo convencional em equipe (com jogadores e Mestre) era possível.

Os atributos eram determinados com jogadas de dados, variando de 7 a 12 (isso mesmo, heróis não tinham valores menores que a média). Os testes eram feitos jogando-se 2d6. Se o valor for igual ou menor o teste era bem sucedido.

O livro básico trazia a introdução ideal ao mundo do RPG: um jogo simples, simpático e muito cativante. Haviam duas aventuras prontas (o mais puro Dungeoncrawl).

O único problema era a ausência de armas. Presumia-se que os aventureiros utilizariam somente espadas. A opção de armas e magias só foi aparecer no suplemento O Saqueador de Charadas. Nesta aventura (sub-dividida em quatro módulos) os heróis contavam com a ajuda de algumas armas (que causavam, pela primeira vez, danos diferenciados) e algumas poucas magias para impedir o vilão mais bizarro da Fantasia Medieval: o infame saqueador de charadas, um agente do caos que causa destruição por onde passa.

3.O MUNDO DE AVENTURAS FANTÁSTICAS

titanEntão, com RPG/Aventuras Fantásticas e Saqueador de Charadas o jogador iniciante podia alçar vôos mais altos. O ponto comum do RPG Aventuras Fantásticas é que as aventuras publicadas se passavam exclusivamente no mundo de Titan. Esse cenário era referência para a maioria dos livros-jogos, então havia uma certa “identidade” e estilo de jogo comum às duas linhas. Assim, um jogador de livro-jogos iria não só reconhecer o sistema de jogo, mas também o cenário de campanha.

A fim de reunir as informações fragmentadas nas dezenas de livros-jogos e módulos do RPG/AF, foi lançado o módulo TITAN: O mundo de aventuras fantásticas. Trata-se de um livro descrevendo o cenário de campanha, como tantos outros. A única ressalva é que o título era completamente descritivo! Isso mesmo: sem regras. Mas, em compensação, ele trazia inúmeras informações que ajudam e muito no clima das aventuras: assuntos incomuns para os livros de RPG atualmente, Titan dava uma aula de ambientação.

Os temas “Qual a melhor cerveja de Allansia?”, “Qual a pior taberna de Blacksand?” e “O melhor do Humor Troll” andam lado a lado com os temas mais tracionais de histórias, lendas, geografia e personalidades.

ffpitOutro suplemento histórico é o Out of the Pit um dos primeiros bestiários da história do RPG brasileiro, trazia 250 monstros com estatísticas de jogo para o RPG/Aventuras Fantásticas.

Por algum tempo, Titan se manteve como o título com maior suporte no Brasil. Esses livros eram o essencial para manter os jogadores ocupados por anos. Lembro-me que nossa campanha durou 2 anos antes que outros títulos tornaram-se necessários.

Mesmo assim haviam algumas limitações do sistema simples que mais tarde seriam trabalhadas, sob o selo “Aventuras Fantásticas RPG Avançado”, mas isso é papo para a parte 2…